Cesdir-capa.png

A Reforma na Lei 11.101/2005

ANTES

Na redação original, a Lei 11.101/2005 trazia três ferramentas de reestruturação do endividamento. Considerando, ainda, o contato direto entre devedor e credores, na prática a negociação de dívidas poderia se dar por qualquer uma das modalidades abaixo, considerando que apenas a primeira opção seria direta e as demais coletivas e podendo se dar no Poder Judiciário, sendo que havia regulação apenas para as recuperações e a falência.

DEPOIS

A partir da entrada em vigor da Nova Lei de Recuperação, há uma nova possibilidade: a negociação antecedente. Com ela, o devedor pode entrar em acordo com credores, em ambiente alternativo de solução de conflitos, e, com isso, não precisa partir para um dos remédios legais previstos na Lei 11.101/2005 (recuperação extrajudicial, judicial ou falência).

Previstos na Lei 11.101/2005

Previstos na Lei 11.101/2005

Renegociação
Direta

Recuperação
Extrajudicial

Recuperação
Judicial

Falência

Renegociação
Direta

Negociação
Antecedente

Recuperação
Extrajudicial

Recuperação
Judicial

Falência

 

Quando aplicar

A LINHA DO TEMPO DA CRISE

Do ciclo de vida da empresa deriva a linha do tempo da crise. Ou seja, quanto mais avançada a crise, maior o comprometimento da liquidez e, portanto, menor a capacidade de geração de caixa, o que demanda estratégias mais interventivas, progredindo nos instrumentos legais conforme sugerido:

O CICLO DE VIDA DA EMPRESA

Empresas são criadas, crescem, atingem a maturidade e entram em declínio. É parte da sua biografia.

 

O Papel das Câmaras Privadas

 

O novo marco legal consolida (assim com o Código de Processo Civil e a legislação de regência de arbitragem, mediação e conciliação) um sistema de insolvência de múltiplas portas. Para cada conflito haverá a melhor opção, aquela capaz de oferecer resposta à crise empresarial.

 

A cooperação entre devedor e credores, pressuposto da Lei de Recuperação de Empresas, nunca foi atingida em sua plenitude com os instrumentos anteriores à reforma. Como já são estruturados segundo gatilhos de proteção empresarial, o ambiente judicial sempre foi palco de alta litigiosidade, criando resultados contrários aos esperados pelo legislador.

 

Por isso, as câmaras privadas especiais, ao reunir os fatores necessários para a harmonização dos interesses em jogo, tendem a ocupar um importante papel no sistema, desafogando o Poder Judiciário e amadurecendo o relacionamento entre os stakeholders do processo.

 

Como funciona

A negociação é direta: o devedor procura credores propõe nova forma de pagamento. Pode fazer acordo coletivo ou individual

Renegociação
Direta

Utilizando um canal não-judicial de solução de conflitos (centro de mediação ou câmara), o devedor negocia com seus credores e produz acordo(s)

Negociação Antecedente

Pode acontecer a sem homologação, quando 100% dos credores concordam com o plano proposto; ou homologada, quando há 50%.

Recuperação Extrajudicial

Tramita perante o juízo e tem um procedimento bem estruturado, com acompanhamento da gestão pelo administrador judicial e supervisão do Juiz.

Recuperação
Judicial

É a liquidação, com realocação dos ativos (venda). Aplica-se  na crise aguda, quando não há condições de salvar a empresa

Falência

Mediação Especial em Pré-Crise

Uma mediação regular é precedida do consenso das partes, que se dá ou por cláusula em contrato previamente existente, ou por termo que venham a firmar antes do início do procedimento. Logo, a base legal da mediação (e da conciliação de igual forma) é o consentimento.

 

No caso da mediação em pré-insolvência, a situação é especial pela forma como se inicia e pela especificidade da situação de pré-insolvência.

 

Quanto ao início do procedimento, conforme o art. 2º-B, §1º, da Lei 11.101/2005, é possível obter tutela cautelar judicial de suspensão de execuções propostas contra a empresa em dificuldade a partir do início do procedimento perante centro de mediação judicial ou câmara privada.

Ou seja, ainda que não tenha se comprometido à mediação ou conciliação, o credor se sujeita a seus efeitos, pelo alcance da ordem judicial. Ainda assim, a decisão por participar da mediação é livre e consentida. Nada muda nesse aspecto.

 

Ademais disso, a complexidade das relações pluripartes, típicas das situações de crise, demanda preparo específico dos mediadores, cuja atuação é limitada, ainda, pelas regras estruturantes do sistema de insolvência.

 

Por fim, é imprescindível conhecimento específico em matéria empresarial e de crise, como forma de garantir a legalidade do acordado.

Negociação antecedente

Conforme a regulação da fase de pré-insolvência (arts. 20-A a 20-D, da Lei 11.101/2005), trata-se do momento pré-processual no qual o devedor inicia o processo de negociação da dívida com seus credores como tentativa de não partir para uma recuperação extrajudicial ou judicial, o que pode fazer em um ambiente alternativo de solução de conflitos, fora do Poder Judiciário.

 

O pré-processo pode acontecer em centro de mediação –mantido pelos Tribunais de Justiça – ou em uma câmara privada, pessoa jurídica prestadora de serviços de negociação, conciliação e mediação, constituída por particulares e que pode ser cadastrada no CNJ (se for para atuar no pré-processo não é obrigatória a inscrição).

Escopo

Fornecemos serviços de intermediação de negociação direta, credor a credor

Renegociação
Direta

Usamos nosso portal e recrutamos mediadores no mercado, devidamente capacitados pela própria Câmara.

Negociação Antecedente

Auxiliamos na preparação do pedido de recuperação extrajudicial, utilizando o portal

Recuperação Extrajudicial

Apoiamos juízes e administradores judiciais para a conversão de recuperações judiciais em extrajudiciais

Conversão de RJ em Extrajudicial

TEMOS UMA FERRAMENTA ÚNICA NO MERCADO, QUE PERMITE A TRAMITAÇÃO DO PROCEDIMENTO ON-LINE, FACILITANDO A OBTENÇÃO DE ACORDOS.

CONFIDENCIALIDADE

Enquanto não judicializado, o procedimento é confidencial, o que preserva a reputação

FLEXIBILIDADE

não precisa englobar todos os credores

SIMPLICIDADE

procedimento bem menos estruturado

RAPIDEZ

menos atos, com possibilidade de abreviar o procedimento por negócio jurídico processual

MENOS CUSTO

sem nomeção de administrador judicial

MENOS RISCO

não se convola (transforma) em falência

Vantagens

 
Cesdinsol-faixa2.png
 

Quero negociar com meus credores

(51) 3392.2730

Av. Independência, 925 | Sala 401 

Bairro Independência 

Porto Alegre/RS

Cep.: 90.035-076

© 2021 por CESDINSOL  - Câmara Especial de Solução de Disputas em Insolvência